CARIDADE NA VERDADE (Caritás in Veritatae

Nestes tempos de resseção econômica, motivada pelas necessárias medidas sanitárias que visam conter o contágio, vimos a fome atingir significativa porção da nossa sociedade. Em nosso entorno imediato há dezenas (talvez centenas), de pessoas famintas. Isto é inaceitável!

A despeito da letargia dos governos e de inúmeras medidas emergenciais que esses deveriam tomar, mas não tomam, penso que cada um de nós deve assumir o protagonismo neste socorro imediato. A boa notícia é que isto tem acontecido.

Presenciamos inúmeras campanhas de arrecadação de alimentos e doação de cestas básicas  que visam aplacar a fome dos mais vulneráveis. Muitos de nós estamos engajados numa ou noutra campanha solidária. Então, supondo tal engajamento, pergunto: tal gesto faz de nós pessoas caridosas? Embora sejam ações necessárias e urgentes elas bastam em si? Podemos repousar tranquilos após ter doado uma cesta básica?

Segundo a encíclica ‘Caritás in Veritate’ (Caridade na Verdade), documento de 2.009, assinado pelo Papa emérito Bento XVI e que passa integrar o conjunto da Doutrina Social da Igreja Católica, o conceito de caridade não se restringe somente às microrrelações, mas assume uma dimensão macrossocial, abrangendo as questões sociais, econômicas e políticas, ou seja, a caridade exige de nós um olhar crítico para a estrutura social que é incapaz de garantir os direitos básicos à vida digna de todas as pessoas. O pontífice ainda reconhece que em nossos tempos a caridade se esvaziou de sentido e por isso é mal compreendida e excluída da vida ética, sobretudo na política.

Para o documento papal a caridade é inseparável da justiça social. Esta nos induz a dar ao outro o que é dele por direito, o que lhe pertence em razão do seu ser, melhor dizendo, eu não posso dar ao outro do que é meu, sem antes lhe ter dado aquilo que lhe compete por justiça. E os bens necessários à vida digna configuram um direito, portanto, por princípio, ninguém poderia ser privado deles.

Assim, quando ajudamos alguém necessitado, somos convidados a nos perguntar se aquele gesto não foi apenas e tão somente a devolução daquilo que lhe foi tirado antes. A partir deste questionamento encontramos o que a encíclica chama de “verdade”, por meio da qual podemos compreender que a concentração de riqueza e o consumismo, em muito contribuem para a desigualdade social, que afeta não somente as pessoas que passam fome atualmente, mas toda a humanidade.

Para o Santo Padre esta é a verdade a ser alcançada na caridade” Caritás in Veritae”, sem a qual a atividade social acaba à mercê de interesses privados e às lógicas de poder, prejudiciais à toda nossa sociedade. Como dizia o educador Paulo Freire, “antes da caridade a justiça social!”

Por estas razões eu não faço caridade. Participo de várias campanhas de doação de alimentos, mas o que pretendo com isto é a justiça social!

Ronei Costa Martins Silva

Arquiteto e urbanista

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

POSTS RECENTES

O Rosto de Cristo

O rosto mais conhecido no mundo é o rosto de Cristo. Independentemente do que possamos pensar ou crer, há pelo menos vinte séculos Jesus é

São Paulo, apóstolo

dia 25 de janeiro a Igreja celebra o dia de Sao Paulo, apóstolo, aquele que é um dos grandes responsáveis pelo cristianismo tal como o

Os povos da floresta

Nossos irmãos ameríndios, não foram adestrados nos moldes da sociedade ocidental. Para eles o trabalho é para a sua subsistência, de seus parentes e da tribo em geral. Trabalham para se alimentar, se vestir, ritualizar e se abrigar do sol e chuva. Não precisam estocar grandes quantidades de alimentos em celeiros imensos. Trabalham apenas para garantir sua vida e a vida da comunidade. Para os nativos da floresta não existe o sentido de “lucro”, sob o qual nós, povos dito civilizados, estamos submetidos, como um deus magno.

Democracia e o Domínio da Necessidade

Semana passada o empresário bolsonarista Cássio Joel Cenali, divulgou um vídeo no qual ele próprio, enquanto doava refeições (marmitas) à populares vulneráveis, negou uma refeição à uma mulher, após ela respondendo à pergunta do empresário, afirmar que votaria no Lula. Segundo o empresário, a pessoa com aquela predileção política não deveria comer. Segundo ele, ou ela muda de opinião e de voto ou não terá mais acesso àquela doação. Pergunto: teria esta senhora condições de escolher?